31 de mar de 2010,16:00
QUADRAGÉSIMA TERCEIRA LEVA



Escultura: Renato Blaschi







CICERONEANDO



O pintor suíço Paul Klee afirmava que o papel do artista era o de convencer os outros da veracidade de suas mentiras. Certa ou não, tal ideia se insere num contexto que nem de longe pode ser visto com olhares minimalistas. A tendência a relativizarmos tudo e todos pode representar um caminho perigoso, tendo em vista a fabricação desenfreada de juízos de valor sem a devida fundamentação. A máxima de Klee pode ser interpretada sob infinitos aspectos, sobretudo quando nos é dada a possibilidade de opinar por vias subjetivas. Guardadas as devidas proporções das convicções pessoais de cada criador, o fato é que a manifestação do pensamento irrompe sob a égide de alguns mistérios que povoam o fazer humano. Deixar as máscaras caírem nem sempre pode significar pleno exercício de autenticidade. Talvez até seja impossível precisar quem possa ser uma espécie de arauto dos novos tempos, dado o esvaziamento do termo vanguarda. E o próprio conceito de verdade se arrasta por solo pantanoso. Deixando de lado maiores discussões, o fato é que um artista comprometido com as questões de seu tempo encerra uma gama considerável de virtudes passíveis de crítica saudável. Na roda viva das expressões, a Leva atual dispõe outras revelações que surgem em meio aos enlaces poéticos de Eugênia Fraietta, Fabiana Lula, Daniel Gonçalves, Andréa Catrópa, Luiz Otávio Oliani, Maria Azenha e Telma Scherer. Trocamos ideias com a fotógrafa baiana Valéria Simões, artista que transita entre a memória dos homens e de seus lugares. Questões cruciais da existência se abrigam nos contos de Alice Fergo e Nilto Maciel. No Drops da Sétima Arte, Larissa Mendes nos propõe um olhar aguçado sobre o documentário “Sonho Tcheco”. Desvelamos as escutas nos discos de Edu Lobo e Daniela Procopio. Entre textos e tantas outras leituras possíveis, as esculturas, telas e desenhos de Renato Blaschi ocupam um lugar especial de contemplação. Que todos se sintam abraçados pelos signos desta nova edição!



*Comentários podem ser feitos ao final da Leva, no link EXPRESSARAM AFINIDADES.





JANELA POÉTICA (I)



OS EQUILIBRISTAS

ao Sérgio


Andréa Catrópa



fomos tecendo um silêncio absurdo

em uníssono com as nuvens,

despetalando o peito, resistindo

só galhos


fomos jogando terra sobre as brasas,

tentando reerguer escombros,

nadando pelas margens


fomos as ferramentas, os meios,

a rede de proteção

e saltamos descuidados



(Andréa Catrópa nasceu em São Paulo, Organizou, em parceria com Fábio Aristimunho Vargas, a Antologia Vacamarela – 17 poetas brasileiros do XXI (edição dos autores: 2007). Integra as coletâneas Antologia da Poesia Brasileira do Início do Terceiro Milênio (6 dias, 6 noites: 2008), 8 femmes (edição das autoras: 2007) e publicou o livro de poemas Mergulho às avessas (Lumme Editor: 2008))









Pintura: Renato Blaschi








A PALAVRA


Alice Fergo



Ela tem um reino de linhagem lábil e uma fivela no sapato. E uma ave de punho com nastros na letra. E uma fragata – a salvo. Alma do frio deveras forte, ela guarda um hiato e algumas horas por usar: tempo interdito a ciclones que fustigam os corpos e não deixam saudades. Agora ela quer Deus, quer a sua palavra: quer o átomo da seda, o algodão doce, a música das árvores. Coisas assim, abençoadas, fáceis.




(A poeta portuguesa Alice Fergo é formada em História pela Universidade Clássica de Lisboa. Lançou, recentemente, “Quando junto às horas se ilumina um rio” (Labirinto, Fafe, 2009), o seu terceiro livro)







Escultura: Renato Blaschi










JANELA POÉTICA (II)


Telma Scherer



Há um cão escondido entre os meus seios.

Fica ali, sossegado, comendo instantes.

Ele pede tanto carinho, faz agrado,

Alivia-se às vezes nas estantes, trás de livros,

Traça e mofo, às vezes segredo.

Tem borboleta entre os meus seios.

Basta o toque leve da tua mão.



(Telma Scherer ama poesia falada e faz performance)







OUVIDOS ABERTOS (I)


Por Fabrício Brandão



EDU LOBO – TANTAS MARÉS






Uma vida marcada por realizações válidas e a necessidade de dar continuação aos caminhos. Este pode ser apenas um dos importantes significados a pontuar a carreira de um artista consagrado como Edu Lobo. Seu mais recente disco nos apresenta uma atmosfera cujas sonoridades ali impressas tanto deixam claras as marcas do passado quanto assinalam um novo lugar em termos de criação. Diga-se de passagem, o nome de batismo do álbum consegue dar sentido a toda uma existência, e a homônima faixa Tantas Marés agrega um sentimento cuja memória dos instantes é posta no ponto mais alto de uma reflexão que, no entanto, está longe de emplacar nostalgias gratuitas.


Passado e presente comungam sob estreitos laços. Enquanto velhas e conhecidas canções como Dança do Corrupião, Perambulando, Ciranda da Bailarina e A História de Lily Braun aparecem revestidas de outros olhares, a novidade aporta suave as veredas de Qualquer Caminho e da lúdica e mística Primeira Cantiga (com a primorosa participação de Mônica Salmaso). Entre as composições inéditas, seis delas refletem a parceria precisa de Edu Lobo com Paulo César Pinheiro. Da conjunção entre violinos, violas, violoncelos, oboé, baixo e piano acústico, dentre outros valiosos ingredientes, nasce a beleza vigorosa dos arranjos. Há uma força instrumental no disco que é capaz de conferir uma plástica de tons marcantemente poéticos a todos os sons que ali se abrigam. A vida é pra se navegar/ o que muda é o convés/ e a rosa dos ventos só é compreendida olhando o revés, apregoa os ventos reflexivos de Tantas Marés. Resta-nos sempre mais do que o apelo das lembranças que carregamos em vida. E até os mais resistentes seres são acossados pelos sopros do presente, sem saber que a ciranda dos dias não espera quem quer que seja.










Escultura: Renato Blaschi









JANELA POÉTICA (III)

Daniel Gonçalves



estou deste lado

fui eu quem me trouxe até aqui

eras pequena demasiado pequena para me segurar as pernas

e dizer-me uma palavra que me travasse a loucura


estou deste lado e deste lado te tenho visto crescer

ora turva ora mágica

a tua estatura se fazendo do brilho com que o teu rosto

se imaginou dentro de mim


e tudo o resto foi sendo apenas um lugar perene

um verso de uma palavra só

sem rima nem peso na arquitetura do silêncio


estou deste lado e é deste lado que sempre te amei

sem poder dizer-to no preciso momento em que adormeces

que é quando essas coisas contam

pois não há nada a perdoar-se nem ninguém a ser perdoado


apenas o sonho que se aproxima

e os cobertores que aconchegam a curva escura do cansaço


estou deste lado e deste lado

fui lamentando toda a vida o lugar onde estou


porque estive aí

tão perto


e vim-me embora



(Daniel Gonçalves nasceu em Zurique, na Suiça, em 1975. Aos 8 anos os seus pais regressam a Santo Tirso, no norte de Portugal. É professor de Português, formado pela Universidade do Minho. Venceu o Prêmio Revelação de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores em 1997, o Prêmio Cesário Verde em 2003 e o Prêmio de Poesia Manuel Alegre em 2010, entre outras distinções. Tem, neste momento, cinco livros de poesia publicados e inúmeras participações em antologias e revistas literárias)







DROPS DA SÉTIMA ARTE


Por Larissa Mendes



Sonho Tcheco (Czeski Sen). República Tcheca. 2004.






Há muito tempo, a palavra documentário deixou de ser sinônimo de filme chato ou de programa da Discovery Channel, até mesmo para os mais resistentes ao gênero cinematográfico. Ainda assim, Sonho Tcheco consegue ser um documentário atípico. Ele soa como um grande reality show aos moldes de O Show de Truman, no qual o espectador encontra certa dificuldade em discernir o que é realidade e ficção.


A ideia é simples: Vít Klusák e Filip Remunda, dois estudantes de cinema de Praga, projetam, em seu trabalho de conclusão de curso, um roteiro para a criação de um hipermercado fictício. Para tanto, cercam-se dos maiores nomes da publicidade e da comunicação tcheca e desenvolvem uma campanha-fantasma.


O que se vê a partir daí é uma verdadeira aula de marketing: estudo de mercado, briefing, confecção de peças publicitárias e até mesmo a construção da fachada do complexo. Ou seja, todo o projeto de divulgação para a inauguração do hipermercado em questão é que leva o nome de Sonho Tcheco. O irônico é que a publicidade do suposto hipermercado dá pistas da farsa através do anti-marketing de slogans como “Não venha” e “Não gaste seu dinheiro”.


O documentário é uma crítica ferrenha (e bem humorada) ao capitalismo desvairado e ao poder da mídia na República Tcheca, antigo país socialista que se rendeu ao consumo. Mas a temática é válida em contexto global. Considerado brincadeira de mau gosto para alguns (recheado de sarcasmo non sense no estilo “Caiga Quien Caiga”), o filme é no mínimo reflexivo. O quão longe pode ir uma mentira? Será que somos ludibriados diariamente pela publicidade? As pessoas gostam de ser persuadidas? E a indagação não abrange somente os consumidores. Em ano de eleições presidenciais, ela se aplica também aos eleitores.


Vale constar que o documentário gerou uma grande polêmica na República Tcheca, sobretudo pelo filme ter sido produzido com recursos do Ministério da Cultura do país. Na época, jornais, revistas e emissoras de TV discutiram amplamente o ocorrido e seus diretores foram processados. O evento coincidiu com o debate da entrada ou não do país na União Européia (nota: o país aderiu à União Européia em 2004). Seria este o verdadeiro “sonho tcheco” realizado?



(Larissa Mendes é turismóloga, cinéfila e endossa o coro de Oscar Wilde, que definir é limitar)









Desenho: Renato Blaschi









JANELA POÉTICA (IV)


TUDO ESTÁ EM ABERTO

Maria Azenha



Tudo está em aberto à minha volta.
Nada é preciso dizer.

Vou ao encontro da morte
para retirar do dia
a sombra de uma sílaba
por crescer,

argila pura
iluminada pelo corpo
na linha do horizonte,

fruto incendiado pela lua


(A poeta portuguesa Maria Azenha nasceu em Coimbra. Licenciou-se em Ciências Matemáticas pela Universidade de Coimbra. Exerceu funções docentes nas Universidades de Coimbra, Évora e Lisboa. É membro da Associação Portuguesa de Escritores. Sua última obra poética intitula-se De Amor Ardem Os Bosques)





Desenho: Renato Blaschi












PEQUENA SABATINA AO ARTISTA


Por Fabrício Brandão



No terreno das observações visuais, talvez não haja nada mais desafiador do que exercitar a porção subjetiva do olhar. Mesmo considerando o apuro técnico como condição significativa do processo de criação, um fotógrafo é capaz de arrebatar os signos do inusitado quando consegue captar com sensibilidade e poesia o instante que se apresenta desavisadamente frente a seu campo imediato de visão. Nesse momento, aspectos intuitivos vêm dialogar intimamente com o registro da luz que ali se anuncia. Se, por exemplo, o assunto é fotografar pessoas, o artista se defronta com um pacto que, mesmo podendo transcorrer silencioso, é estabelecido com o objeto de seu flagrante ofício. Aqui, estranhamentos podem existir, mas o respeito à individualidade alheia consolida um marco ideal da relação.


Confirmando estes e outros tantos atributos perceptíveis à missão de um fotógrafo, o trabalho da baiana Valéria Simões é capaz de reter do mundo sua substância mais pura, extraindo sentidos ligados à alma situada no pluralismo de seres e lugares. Observar atentamente as imagens dela é percorrer um terreno no qual as identificações se projetam de modo intenso e revelador, algo que nos inclui num compartilhar de sensações fruto da memória e dos laços afetivos da existência. A artista traz em sua trajetória exposições de trabalhos ligados à cultura popular, a exemplo de Imagens do Recôncavo (2001) e Olhares Baianos (2006) e, também, relacionados ao olhar instigante sobre a contemporaneidade, como é o caso de Lugar de Ausência (2009). Desenvolveu uma relação marcante com a fotografia voltada para o cinema, mais precisamente making of, em importantes produções como Os Penitentes (1993), Mr. Abrakadabra (1995), Memórias Póstumas de Brás Cubas (1998) e Trampolim do Forte (2008). Com mais de vinte anos de vivência fotográfica, tendo também participado de diversas exposições coletivas, salões e bienais dentro e fora do país, Valéria Simões nos recebe para uma breve conversa sobre sua carreira, assinalando algumas nuances que certamente a posicionam de modo especial no cenário da fotografia brasileira.




Autorretrato

Valéria Simões



DA - Antes de se tornar fotógrafa, você se enveredou pelos caminhos da colagem. Como é que se deu essa mudança fundamental de rumos?


VALÉRIA SIMÕES - Não considero uma mudança, muito pelo contrário. Acho que foi a colagem que afinou o meu olhar de fotógrafa. Foi um ótimo exercício de percepção visual.



DA - É marcante em seu trabalho o olhar que você devota às expressões cotidianas, aos traços populares e seus flagrantes sutis. Que tipo de desafios movem tais registros?


VALÉRIA SIMÕES - Revelar essas pequenas delicadezas que, muitas vezes, passam desapercebidas por conta da correria do dia-a-dia.



DA - Nas filmagens de Santo Forte, documentário de Eduardo Coutinho, o cineasta cobria de vazio certas falas que narravam a aparição de manifestações espirituais. Apenas imagens dos ambientes inabitados eram expostas como uma espécie de solução para ilustrar depoimentos. No seu caso, a série Lugar de Ausência dialoga firme com certas lacunas nossas, quiçá um tratado sobre memória e vestígios humanos. De que modo você se atirou a esse projeto?


VALÉRIA SIMÕES - É uma temática muito interessante, que possibilita um universo enorme de imagens e leituras. Sempre me interessei muito pela questão da memória, e percebi, revisitando meus arquivos, que tinha imagens intrigantes de janelas e portas emparedadas, que havia colhido ao longo dos anos e nunca tinha mostrado antes. A partir do reencontro com essas fotos, nasceu o projeto Lugar de Ausência, que se estende por outras questões também pertinentes à vida contemporânea.



DA - Fotografar pessoas, sobretudo se o caráter for documental, remonta a uma espécie de pacto, algo que seja capaz de romper as barreiras do estranhamento sem desorganizar o espaço e as rotinas alheias. Como é que isso funciona no seu ofício?


VALÉRIA SIMÕES - Fotografar pessoas é o terror de muitos fotógrafos iniciantes. Isso nunca foi um problema muito grande para mim. Gosto muito de gente. Sempre fui muito expansiva, coisas de temperamento. O segredo é se misturar da forma mais espontânea possível.




Foto: Thereza Coelho



DA - O que você acha que há de mais relevante na revolução trazida pela fotografia digital? Considera que houve algum tipo de banalização dos processos criativos?


VALÉRIA SIMÕES - Sem dúvida, a democratização do fazer fotográfico. Acho que os paradigmas hoje são outros. Não dá para pensar a fotografia como há 20, 30 anos atrás. Lidamos hoje com uma tamanha diversidade de imagens que fica muito difícil saber o que é bom e o que é banal. Só o velho e bom “tempo” para assentar a poeira dessa revolução.



DA - Salvador é um lugar que possui uma mística imagética muito forte, seja do ponto de vista histórico, seja pelas personagens que ali transitam. No seu caso, até que ponto essas referências motivam o seu olhar?


VALÉRIA SIMÕES - Motivação constante. Para quem gosta de gente e memória, eu diria que Salvador é um banquete diário.



DA - É possível definir o quanto de você há no outro representado?


VALÉRIA SIMÕES - Eu diria o mais íntimo, o inesperado, o controverso e, às vezes, o igual.



* Clique aqui e confira um pouco mais do trabalho de Valéria Simões. Reveja também a exposição da fotógrafa na Diversos Afins.









Pintura: Renato Blaschi










JANELA POÉTICA (V)



MORTE E NOVIDADE


Eugênia Fraietta



escrever é sepultar a centelha na palavra.

na palavra, o jazigo, a certeza do que se foi.

no papel, aquilo já não há. isto é inauguração.


é desespero contra o declínio de todas as coisas.

na palavra, nada daquilo, lápide da paixão.

no papel, epitáfios, fendas para novidade.



(Sou goiana desde 1970. Fiz Letras, pela Universidade Federal de Goiás e atualmente preparo meu mestrado em Estudos Literários sobre os contos de Machado de Assis também pela UFG. Moro em Goiânia e trabalho como revisora e professora de análise literária para o ensino médio. Tenho um filho, Luca, de 7 anos que me cria e escrevo pra ficar de pé)









Escultura: Renato Blaschi









AQUELES HOMENS TRISTES

Nilto Maciel


Deitou-se ao lado da mulher, como se se preparasse para morrer, sem uma palavra, um gesto de carícia, qualquer menção de repetir cotidianas cenas de brutalidade e desejo. Fechou os olhos e imobilizou-se. Queria apenas pensar, pensar ilimitadamente, desprender-se de todos os laços palpáveis de seu conheci­mento, perder-se por corredores e labirintos, por horizontes e profundezas. Desordenar as coisas, as pessoas, o mundo. Fazer redondos os quadrados, aparar arestas, encrespar as formas pla­nas, reduzir a montículos as grandes montanhas, agigantar-se. Como em noites idas.

Não conseguia compreender como e por que tudo se deformava e nunca teve coragem de contar nenhuma de suas descobertas a ninguém. A não ser as mentiras menos assombrosas: aquela porção de frutas amontoadas, a paulada na cabeça de fulano, a tempestade, os monstros. Umas já se haviam perdido no tempo ou tinham ocorrido com outras pessoas. Às vezes discutiam, se ameaçavam e até se matavam, raivosos, incapazes de ouvir tantos disparates, insultos, desafios.

E a mulher, os filhos, os companheiros de caça, o resto será que não saía, um pouquinho só, além dos limites da mesmice? Ou também sentiam medo de contar novidades?

De noite, depois de fechar os olhos, entregar-se ao invisível, tudo virava de cabeça para baixo, transformava-se, confundia-se. A mulher se fazia outra, os filhos morriam, sumiam, se batiam contra feras. Os bichos se devoravam, violentos, estraçalhavam-se, sangrentos. Muitas águas, muito fogo, ventanias de arrastar homens e animais. E nada era verdade, quando não era mentira. Sua mentira.

Não, talvez não fosse bem assim. De dia, os olhos viam o mundo e o mundo existia. De noite, os olhos de dentro viam o mundo, porém um outro mundo.

Abriu os olhos, levantou-se, suado e trêmulo, e olhou para as estrelas que piscavam no céu e para o fogo que ardia ao redor das cabanas. A mulher dormia, os filhos dormiam, todos dormiam. Deu dois passos, escutou o grito dos bichos e sentou-se numa pedra. Aonde andavam as milhares de pessoas de minutos atrás? Onde estavam aquelas construções enormes, feito cabanas sobre caba­nas? E os objetos que se locomoviam, feito tartarugas de ro­das, a conduzir gente, às carreiras? E os outros que voavam, feito pássaros? O que fazia tanta gente ajoelhada, diante de ima­gens de barro e homens que falavam de “morada do céu”? E por que quase todos não paravam de suar, o dia todo a derrubar árvores, cavar o chão, lavrar a terra, bater ferros, sob as ordens de uns poucos? Que diabo significavam pedaços de papel colo­ridos e numerados que aqueles recebiam dos chefes e trocavam por comida, roupa, objetos variados de propriedade dos mesmos chefes?

O sol se anunciou vermelho e encantatório por detrás das montanhas. E se lá vivessem aqueles homens tristes?



(Nilto Maciel: Venho da serra, do verde do Ceará, mas meus pais e avós vieram do sertão seco. Do tempo do trabuco, da injustiça, da perseguição, de Antonio Conselheiro (Antonio Vicente Mendes Maciel), aquele de Canudos, que as tropas militares massacraram. Não esqueci isso. Li a História desses povos, dessas gentes. Mas li também Camões, a Bíblia, Alencar, Machado, cordel, Moreira Campos. E me pus a escrever também. Mais para relembrar aquele povo e seus descendentes. Para recriá-los. Ou mesmo criá-los, porque talvez nada exista. O que existe é a obra de arte, que é ficção. Nada é real. Quanto mais antigo mais irreal. Sou apenas um escritor de poemas, contos e romances)









Pintura: Renato Blaschi













JANELA POÉTICA (VI)



CASA


Luiz Otávio Oliani



faço do silêncio

a morada do ser


não lhe digo

palavras duras

nem amorteço quedas


apenas guardo

a concha

em que abrigo

a solidão dos homens



(Luiz Otávio Oliani é natural do Rio de Janeiro, graduado em Letras e Direito. Participou de diversas antologias e tem poemas publicados em jornais do País e do exterior. Com incursões no teatro e no jornalismo, frequentou oficinas e atua no movimento literário da cidade carioca desde 1990, período em que obteve mais de 50 premiações. Publicou "Fora de órbita” (Editora da Palavra - poesia, 2007) e "Espiral" (Editora da Palavra, Rio de Janeiro, 2009))




OUVIDOS ABERTOS (II)


Por Fabrício Brandão



DANIELA PROCOPIO – DANIELA PROCOPIO




No que poderia resultar a mistura entre o afoxé e o jazz? À primeira vista, talvez não seja algo muito fácil de vislumbrar, mas o fato é que tal combinação existe e acaba por surpreender em razão de tais gêneros acabarem se harmonizando sem desvios que possam comprometer tal inusitada proposta. O assim batizado Afojazz mostra suas faces no primeiro disco da paulistana Daniela Procopio. Tome-se, por exemplo, o que acontece na faixa Do Tamanho do Mar, canção que é introduzida por toda uma ambientação jazzística, com direito a piano e baixo acústico, e depois desemboca num verdadeiro ijexá cujos signos evocam elementos advindos do candomblé. Interessante é perceber que um gênero não suplanta o outro, razão pela qual os arranjos merecem ser notados em sua amplitude.


Com uma voz intensa e ao mesmo tempo suave, Daniela passeia firme por entre um solo que une o imaginário das tradições afrobrasileiras aos traços elegantes e dotados de sutileza do jazz. Ao passo que há um encontro valioso entre a cantora e o compositor baiano Carlinhos Brown na faixa Quase Lenda, sobressai o canto doce e bem ao estilo clássico do viés jazzista em A Little High. Não menos intensa é a entrega da artista nas faixas Quem Eu Quero Bem, Margarida Que Me Faz Sonhar e Melodia Sentimental, músicas que enaltecem o lirismo presente no disco. O álbum conta com o auxílio luxuoso de nomes como Eumir Deodato (arranjos), Arthur Maia, Jaques Morelembaum e Toninho Horta. Por certo, a cada nova voz que surge a explorar os recantos possíveis de nossa plural e eclética nação, à música é dada a condição de ecoar infinda entre nós. O primeiro passo para a descoberta está no ato desnudado de se permitir.




Clique aqui e abra as escutas para o disco.





Escultura: Renato Blaschi









JANELA POÉTICA (VII)



SOBRE O AMOR II


Fabiana Lula



A solidão

É pássaro ferido

Asa quebrada

Pia no escuro

De um canto sujo



(Fabiana Lula, nascida em Ituitaba, Minas Gerais, mas mora e sempre morou em Goiânia. É mestre em literatura pela UFG e professora em escola pública. Gosta muito de ler e de vez em quando escreve por pura diversão)










Pintura: Renato Blaschi






* As nuances dotadas de um realismo pungente povoam o trabalho do artista plástico santista Renato Blaschi. Suas esculturas demarcam um olhar reflexivo sobre a figura humana, explorando bem mais do que contornos anatômicos e formas fidedignas do real. A linguagem do corpo aqui percorrida ressalta traços que remontam à introspecção do homem. Há, pois, um semblante humano a suscitar o tom confessional e intimista dos seres, num intenso processo de valorização da individualidade face a um tempo que ferozmente tenta uniformizar a tudo e a todos.


O figurativismo que permeia a obra de Renato não se prende a orientações meramente acadêmicas. Nesse aspecto, o artista projeta um valor de transcendência aos significados encerrados em seus trabalhos, conferindo autonomia às mensagens evocadas pelas suas figuras. Os apelos fogem aos determinismos estruturais e nos mostram um caminho onde ao homem é possível a travessia necessária de seus mistérios.


 
publicado por Fabrício Brandão
Permalink ¤

<BODY>