20 de abr de 2007,14:14
OITAVA LEVA
Foto: Adelmo Santos






CICERONEANDO



Diversidade: eis a palavra de ordem por aqui. O caminho dos escritos prossegue, insiste em ir adiante. Topamos com a grande experiência de poder encontrar, pelas vias, gente de toda a sorte de expressões. O incentivo para andar mais e mais vem de todos os cantos do país. A cada nova adesão de um colaborador, temos a certeza de que respirar as vias culturais vale a pena num país onde, ainda, a maioria dos olhos soltos por aí desconhece os lugares preciosos, construídos pelas letras. Somos assim, feitos da poesia “obcecada” de um Héber Sales, dos versos sensíveis de Alyne Costa, Alexandre Câmara e Leila Lopes. A exposição do fotógrafo baiano Adelmo Santos exala sentidos poéticos, escreve com a luz. Por que não falar dos signos “indigestos” do poeta pernambucano Bruno Candéas? O contista baiano Rodrigo Melo estréia por estas bandas, revelando outras faces ao dual masculino/feminino. O performático Manuca Almeida, operário da palavra, nos recebe para uma conversa sobre sua carreira. Um sentimento visceral também se põe à mostra nas meninas de um sertão de Ronaldo Braga. Valéria Freitas nos propõe um miniconto, no qual habitam diálogos entrecortados por sentimentos sinestésicos e sensoriais. Mais do que um simples desejo de batismo, a crônica de Tekka varre os esforços em nomear as letras da existência. Cacilda Becker encontra Godot no belo texto de João Pedro Roriz. Há um James Dean revisitado em Cristiano Contreiras. Enfim, nosso caldeirão transborda um consistente caldo cultural.


*Comentários podem ser feitos no link EXPRESSARAM AFINIDADES, que se encontra no fim da Leva.





JANELA POÉTICA (I)


LÂMINA D’ÁGUA

Fabrício Brandão


Ergui olhos acima
Retirando formas perfeitas do existir
E o simples mirar de coisas
Devolveu-me falsa exatidão

Tudo fica claro
Quando desce a cortina invisível
Então me elevo à tola categoria
Crendo ver mais do que posso

Tantos desenhos nas paredes
Antes seres insossos por agonia
Agora gente ideal
Companhias de todo um sempre

Ponho o sangue à prova
Fazendo do corpo o objeto pulsante
Sublimo as águas que descem
E o meu tecido renasce em transparência




Foto: Adelmo Santos







CERIMÔNIA ÀS AVESSAS

Neuzamaria Kerner


Precisava entrar em forma. A academia de ginástica, embora neurotizante, poderia ser uma solução. O caminho poderia ser também a sua preocupação com um novo direcionamento na vida: uma mudança interior. Começara a ver as caminhadas como algo prazeroso e queria ter coragem de dizer não ao maiô bem comportado e assumir o tão desejado duas peças. Queria sentir o gosto do vento abraçando totalmente o seu corpo e o sol beijando sua pele carente de toques. Nunca experimentara esse tipo de vaidade, mas agora conhecia – como só as almas plenas – o sabor do abraço do mar, experiente macho que, como nenhum outro, sabia envolver e cativar um corpo necessitado de renovações. A partir desses novos pensamentos e das novas sensações, estava pronta para tudo o que viria de agora por diante. Era a auto-estima retomando seu lugar. E as idéias estavam no cio. Sabia que havia sido domesticada e isso não poderia durar permanentemente. Estava protegida naquela vidinha medíocre, bem provida de bens materiais, porém mutilada. Grandes mudanças!

Aproximava-se o grande dia. Os convites distribuídos e os amigos perplexos com a decisão por ela tomada. Muitos participariam, uns por curiosidade, daquela insólita festa. O vestido de noiva, que beleza! Transpirava sensualidade e promessa de liberdade desde a primeira prova. Sentia isso. Antes, havia pensado em alugar um vestido mais simples. A ocasião, entretanto, merecia (e como!) ser comemorada com todas as pompas.

Ela, perto dos quarenta, só agora havia reparado como era bonita. Os olhos negros contrastavam com o longo dos louros cabelos. Relembrara que era inteligente e isso a fazia sentir-se mais bonita, ainda.

A expectativa do grande dia a fez perder os quinze quilos que nunca a haviam incomodado e que de repente estavam pesando mais do que o mundo. Jogou-os na primeira lata de lixo: seriam levados pelo caminhão da prefeitura e até imaginou-os sendo triturados entre outros lixos sem prestígio e despejados num lugar qualquer. Não importava onde... E as suas curvas foram sendo cada vez mais modelados por hábeis mãos, que deslizavam no seu corpo besuntado de cremes miraculosos.

Nos convites nada de ”... os noivos despedir-se-ão na porta...” Seria festa grande, na qual seriam servidas mousses salgadas acompanhadas de saladas coloridas. Para beber: champanhe. Sim, champanhe. Não faltaria o indispensável bolo de vários andares, mas nada de pombinhos no topo. Seria somente a figura de uma musa alada com vestes transparentes, encomendada a um artesão amigo. Por que não? Era um direito adquirido.

Finalmente o grande dia! As testemunhas ansiosas, o juiz impaciente, os pais esfregando as mãos, nervosos... Como sempre um pequeno atraso.

A noiva aparece belíssima numa limousine preta, impecavelmente vitoriosa. O motorista salta e abre a porta para a deslumbrante rainha sorridente que entra no fórum, para espanto de todos.

E ele? Não importa ele. Não há mais o valor absoluto. Camisa de manga curta, calça na virilha. Pança imensa. O mau humor, que lhe era peculiar, estava estampado no rosto.

Diante do juiz e das testemunhas os papéis são assinados.

Livra-se daquele “sim” que um dia, de mansinho, estabeleceu o caos na sua vida. Está finalmente descasada. Ali mesmo acontece o inusitado: ela retira o véu, desabotoa o vestido deixando-o cair no chão, mostrando-se uma nova mulher. Bermuda e camiseta de cotton. Cabelos soltos quase chegando à cintura. Olhos brilhantes. Maçãs do rosto suavemente rosadas. Expressão da felicidade personificada.

Na festa, enquanto os convidados regalavam-se com o banquete... Ela sai num bugre amarelo, em direção à Pasárgada de Bandeira, em lua-de-mel consigo mesma.






Foto: Adelmo Santos







JANELA POÉTICA (II)


OBSESSÃO

Héber Sales


Eu quero o poema
que cabe no fio da navalha -
o poema que carrega
o gosto de arma branca.

Eu quero o poema
que convida o espanto -
o poema que rouba
o chão dos nossos pés.

Eu quero o poema
que encurrala o costume -
o poema que grita
a novidade do mundo.

Eu quero o poema
que arfa nas entrelinhas -
o poema que vive
da inquietude dos nomes.

E eu quero esse poema
de um só golpe
como se usa fazer
nas manobras fatais.


(Héber Sales nasceu com o peito carregado de chumbo. Usa se tratar acossando palavras acostumadas. Quando falta-lhe o remédio, cospe fogo por aí)






Foto: Adelmo Santos







OUVIDOS ABERTOS (I)

Por Fabrício Brandão



BADI ASSAD – WONDERLAND






A cada grande descoberta musical de nosso cancioneiro, rendo graças à Deus por ainda haver uma saudável resistência às marés de futilidade e vazio de nossa atualidade. E Badi Assad é algo fabulosa, nos presenteando com um disco que é um verdadeiro espetáculo nos quesitos arranjo e voz. Sua interpretação traz vigor e personalidade em canções que se prestam a estágios contemplativos de alma. É preciso parar para ouvir a força melódica que brota da expressão dessa que é uma violonista de mão cheia. De cara, na primeira faixa, nos deparamos com a magnífica Acredite ou não, composição de Lenine e Dudu Falcão, e que aqui serve como um cartão de visitas e tanto. Com um violoncelo fazendo a base, Badi revisita o sucesso Sweet Dreams, do grupo Eurythmics, conferindo uma cara brasileira ao hit. A Banca do distinto, canção já interpretada por Elis Regina, ganha roupagem numa precisa mescla de chorinho, samba, arranjos eletrônicos e samplers. A veia compositora da cantora soa alto em Zoar, escrita em parceria com Chico César, e na intensa O que seria?, letra que revela uma feição com doses suaves de romantismo. Um grande álbum, com direito a canções de Cartola, Gonzaguinha, Vangelis, Tom Jobim e uma participação especial de Seu Jorge. Se não vivemos no país das maravilhas, Wonderland nos sugere que a beleza sempre esteve perto de nós. Tudo é uma questão de se deixar sentir.




O AMADOR
[até que os fins sejam alcançados ou como não fui capaz de desistir de mim.]


Valéria Freitas


Eis minha sentença todos os dias, por esta sua existência inesgotável...

Eu esquecera o livro sobre a mesa e jamais voltara para buscá-lo. Que ela enfim, lesse. Todos os versos estavam destinados a ela. Como essa tarde que me trouxe de volta...
Esta é a rua. A casa dela é aquela, cujas janelas azuis estão sempre à disposição do vento - escancaradas. Sei que está em casa. Caminharia até lá se meus pés obedecessem. E o que lhe diria?

[o início de um diálogo inútil]

Boa tarde!
Como vem passando? [com um breve toque Machadiano explorando a memória]
Ah, eu estou muito bem!
Sobrevivo como o velho gato sem botas, lembra?

[não há fim para o desconforto das palavras num diálogo assim. Já provou?]

Conversa fiada! Eu nada diria. Nada diria. Deixaria que ela me surpreendesse.
E sim, ela abriria a porta com aquele ar de quem fora interrompida: ia salvar o mundo.
Sorriria, e então...
Eu de novo a seus pés. [a simple joke or my imagination? Can you help me?!]

Talvez me convidasse para um chá forte. Correria os olhos sobre mim e diria algo sobre meu aparente “olhar cansado”. Como se eu fosse sempre uma sua nova lição...
E como ela gostava de aprender pessoas!
Apaixonando-se por elas sem medo algum.
E se não houvesse nenhum dia seguinte, sempre lhe bastava uma das suas imensas janelas azuis [falemos de alma aqui] escancarada,
o seu velho piano de cauda que lhe prestava imensos serviços [deixava-se tocar sem perguntas] e a própria vida, encolhida para ser apenas simples [no curves no memories].

Mentalmente, fiz um mea culpa básico, dei meia volta e segui meu caminho.

[Não percebi(a) antes, essa aparente estrada nova.
Completamente asfaltada
Cheia de pessoas
Sem filas. ]

(Valéria Freitas é colaboradora ativa do Diversos Afins)





Foto: Adelmo Santos







JANELA POÉTICA (III)


INDIGESTUAL


Bruno Candéas



Temidas são as verdades q perturbam.
A luz se revolta para dentro.
O sono é velado por um anjo devasso.
Em cada povoado, a semente d sua perversão.
Batinas estendidas na torre da luxúria.
Agora em duas vezes no hipercard.
A face viciosa q outros contemplam.
O grande trabalho está posto.


(Bruno Candéas é um experimentador tanto humano quanto poeta. O poema Indigestual é parte integrante de um livro de poemas homônimo. Áudio-táctil-visual, o livro tem som, forma e cheiro odor acre de mangue-capiberibe. A obra possui 21 “poemas” indigestos recheados com o mel da inquietação, onde pairam fantasmas gestuais e suas coreografias sensuais)


Mais sobre o autor, em:

Interpoética





Foto: Adelmo Santos






LUTAR COM PALAVRAS

Tekka Whitman


Lutar com palavras é a luta mais vã - Carlos Drummond de Andrade.

Há anos que busco um título para um livro, um título inédito, mas cheguei à conclusão de que todos os nomes já foram usados. Eva viu a uva e as demais frutas, os animais e as coisas todas criadas. Ela e Adão passavam o tempo dando nome aos bois e outros bichos, inventando assim o primeiro dicionário. Foi o bardo inglês quem se apropriou de quase todas as palavras, isso sem falar na Bíblia, repertório inesgotável, que circula de boca em boca e de citação em citação.

Tempos depois, a relva ficou sendo de Walt Whitman, as rosas de Rilke, a avenca de Adélia Prado. O pântano de Thoreau, a montanha de Thomas Mann, as serras de Eça de Queiroz. A gaivota é de Tchecov. A promíscua lua deu-se a Manuel Bandeira, a Vinícius, a Neruda, a todo mundo. Virginia Woolf ficou com as ondas. Cecília apoderou-se do mar, absolutamente. E das cantigas, da saudade e do sonho. E das idéias. Milton ficou com o Paraíso e logo o perdeu. Dante pegou o Inferno e o Purgatório. O Céu ficou para William Blake e a beleza com Keats. Os paraísos artificiais ficaram com Baudelaire.

A aurora passou ao Paulinho Mendes Campos e o pôr-do-sol à Lygia Fagundes. Quem mais? O desejo é de Hilda Hilst, a paixão de Marly de Oliveira, a dor é de Marguerite Duras, a insônia de Graciliano Ramos, a fome de Josué de Castro. O amor, esse é dadivoso: todo mundo que escreve usa a palavrinha carimbada. Lá está ele em todos os poemas, romances, cartas, músicas. Todos, absolutamente todos, cantam o tal de amor. Que acabou virando rima pobre, mas onipresente. Já a arte de amar é de Ovídio.

O branco é de Emily Dickinson, o vermelho e o negro de Sthendal, o verde de João Cabral, o amarelo de Van Gogh, a cor púrpura de Alice Walker. O cavalinho azul é de Maria Clara, a ovelha negra é de Caio Fernando Abreu e de Rita Lee. O trem das cores é de Caetano Veloso.

A felicidade é de Katherine Mansfield, a amizade é de Montaigne. A guerra e a paz são de Tolstói, os crimes são de Agatha Christie, mas o castigo é de Dostoiévski. A inveja é de Zuenir Ventura e a gula de Luiz Fernando. O povo brasileiro e o sorriso do respectivo lagarto são de João Ubaldo, enquanto o tempo é de Érico Veríssimo – e o vento também. Já o inconsciente é coletivo.

Sylvia Plath é dona do espelho, da redoma de vidro, do poço e das papoulas. As nuvens são de Rimbaud. O verão é de Camus, o inverno de Steinbeck, a primavera de Stravinski, o outono de García Márquez. A Bahia é de Jorge Amado, Minas é de Fernando Sabino, o Rio é de Pedro Nava, São Paulo é de Mário de Andrade. A galinha – e o ovo – são, definitivamente, de Clarice. Mas o umbigo é de Adelaide.

O sertão é de João, e tudo que nele existe: o gavião, o pequizeiro, a seriema, o urutu, a jibóia, o rio e suas margens, a canoa, o menino, a faca. O gostar, o querer-bem, o odiar. A morte. A casa, a primeira lição, a moça, a noite. O buriti. As veredas. E as estrelas!

Machado é dono de todas as memórias – póstumas ou não. É um latifundiário. Carlos Drummond de Andrade se diz fazendeiro do ar, mas ele e Machado são sócios majoritários do Banco Nacional das Palavras, das mais simples às mais elaboradas. Os dois lidam com elas na maior intimidade – e ainda nos são apresentados como exemplo a seguir. Que luta mais vã!

A própria palavra “Word” já foi de Shakespeare (“words, words, words” – palavras não são mais que palavras) e, depois, de Sartre. Hoje é marca registrada de Bill Gates. Enfim, tá tudo dominado. Até o grifo! Sempre achei que o grifo era meu. Pois não é. É do Murilo Mendes, que avisa, possessivo: “o grifo é meu!”.


(Tekka Whitman é pediatra pela UFMG, mora e atua na periferia, com crianças que ‘comem terra’ - em vez de se alimentar de luz - e cujas mães procura consolar, explicando que essa é a parte que lhes cabe neste latifúndio… Escreve no blog Strange-Fruit, no Focando e monitora uma comunidade de nome Pediatria Radical)






Foto: Adelmo Santos







DROPS DA SÉTIMA ARTE


Por Fabrício Brandão


Café da Manhã em Plutão (Breakfast on Pluto). Irlanda/Reino Unido. 2005.





Café da Manhã em Plutão é uma dessas obras cinematográficas que, desde o início, desperta a curiosidade em seguir adiante. De cara, o filme dialoga com uma trilha sonora vigorosa, a qual faz par constante com a trajetória do personagem central da história. O enredo remete à vida de Patrick (Cillian Murphy) que, desde garoto, abraça os ímpetos de sua identidade sexual para dar rumos aos seus passos. Ainda bebê, Patrick é deixado à porta da casa de um padre (Liam Neeson), sendo depois adotado por uma família, onde cresce num ambiente hostil, algo suficiente para que alimente o desejo de se lançar ao mundo em busca de sua verdadeira mãe. Com um roteiro entrecortado por capítulos que orientam as andanças do jovem rapaz, o filme transita pelo ambiente conturbado de uma Irlanda dividida por seus conflitos civis. E o mundo de Patrick está além das questões do coletivo, muito além do turbilhão de acontecimentos que atravessam a sua jornada. Há uma ternura cativante na personalidade daquele que parte para Londres, rumo ao idealizado encontro com a figura materna jamais vista, projetada numa semelhança com uma famosa atriz. Acredito que a força do filme está em saber transformar as zonas conflitantes de seu personagem principal em saídas alternativas para um destino incerto. Patrick alimenta seus sonhos num diálogo com as canções, fazendo com que suas dores sejam diluídas pela atmosfera romântica da trilha sonora. É como se ele realmente vivesse num mundo perfeito, sem máculas que tingem as relações e acreditando fielmente na possibilidade de ser amado. Talvez ele nos lembre que reinventamos a plástica ideal da vida a cada segundo de nossas existências. Atire a primeira pedra, então, aquele que vez ou outra não busca alívio fugindo abraçado com sua própria loucura.





PEQUENA SABATINA AO ARTISTA

Por Neuzamaria kerner


Baiano de Juazeiro, artista multifacetado e transitando principalmente pela literatura, teatro e música, Manuca Almeida acredita na força das palavras, condição essa que deriva de um lugar privilegiado, um se deixar sonhar. Nos últimos anos, a música ganhou corpo em sua vida, conferindo-lhe sucesso traduzido em letras sensíveis. Em seu processo criativo, conta com o apoio fundamental de sua mulher, Lu, e das duas filhas, Dandara e Iana. É dele a bela canção Esperando na Janela, interpretada por Gilberto Gil e fio-condutor do filme Eu, Tu, Eles, no qual também assina a produção. O autor de Pop Zen, cuja letra foi considerada por Arnaldo Antunes como a mais bela dos últimos dez anos, crê que está no caminho certo, embora confesse que ainda esteja vivendo num ritmo acelerado. Manuca recebeu o Diversos Afins para uma conversa sobre um tudo: obra, crenças e alma. Ao longo desta entrevista, também dispomos alguns dos chamados poemas-postais do artista.





DA - A Palavra e Manuca Almeida: casamento perfeito?

MANUCA ALMEIDA - Talvez casamento poético porque ando à procura do que é perfeito, mesmo sem ser o meu objetivo maior. A palavra não avisa, chega e comigo ela entrou, ficou. Essas coisas fluem naturalmente na cabeça de quem sonha. Acho que tenho um compromisso com a imagem, imagino estar criando versos e me faço em cada palavra que solto. Isso parece poesia, mas não é.


DADe onde vem tanta inventividade?

MANUCA ALMEIDA - Da vida que vivo, das vidas que vejo serem vividas e seus inventivos construtores do dia-a-dia, de minhas conversas com Deus , dos meus defeitos, dos meus delírios, etc e tal.






DA - Como é para você ter suas falas-poemas estampadas em calcinhas, papéis, caixas de fósforo, panôs, garrafa poética?

MANUCA ALMEIDA - É a concretização de um pedaço do sonho, a maneira mais direta alcançada por mim para comercializar minha palavra, o que não é fácil. Eu vendo palavras e não é tarefa pra qualquer um. Palavras com sons, palavras com cores, palavras no papel.
Eu vendo palavras!

DA - Nas suas apresentações teatrais você é múltiplo. Como fazer isso também em bares, ônibus, clubes? Ainda trabalha dessa forma?

MANUCA ALMEIDA - A repercussão e o sucesso alcançado por minhas músicas nos últimos anos fez com que eu dedicasse mais tempo, ou todo o meu tempo à música. Isso quer dizer que depois de 25 anos percorrendo o mais inusitados espaços que a poesia pudesse estar, pela primeira vez eu não precisaria ter a obrigação de recitar poesia pra sobreviver. Pude me dar ao luxo de ter alguns artistas brasileiros fazendo isso por mim. Porque o intérprete não é nada mais do que um instrumento do compositor. Um mensageiro de palavras sonoras. É quase isso ou isso mesmo.

DA - Você não espera na janela. Sai porta afora e põe a boca no mundo. Como foi seu ajuntamento com Gilberto Gil para a música ESPERANDO NA JANELA?

MANUCA ALMEIDA - Na verdade, não houve ajuntamento. A música chegou a Gilberto Gil pelo fato de eu ter sido o produtor local do filme EU, TU ELES, do diretor Andrucha Waddington, de estar naquele momento sintonizado com Deus. Tô querendo dizer, ou melhor, estou dizendo que as coisas aconteceram por outros motivos, outros caminhos. A minha amizade com o motorista de Regina Casé, Sampaio, do carinho e amizade dela por minha filha Iana, pela paixão de Regina pelo forró, por tudo isso e talvez as festas que eu tive que bancar para o elenco e produção do filme, só para chamar a atenção para que eu conseguisse alguns amigos e parceiros no filme. Não pensava em estar na trilha. Na minha cabeça já existia uma cabeça comandando isso e era nada mais nada menos que o ministro Gilberto Gil. Mas a música falou mais alto e também Regina Casé, pois ela pediu, o diretor exigiu, Deus autorizou e Manuca Almeida sorriu com as mudanças, com as novas andanças e principalmente com a conquista do GRAMMY LATINO 2001 como a melhor canção brasileira daquele ano.


DAQuem é o ator Manuca dos palcos e filmes?

MANUCA ALMEIDA - O ator Manuca é fruto de minhas performances e experiências criadas ao longo desses anos no palco. 90% de cara de pau, 7% de talento, 2% de luz e 1% sei lá de quê... (as gargalhadas).






DA - Mais Pop ou mais Zen? Sua música Pop Zen foi gravada pelos Lampirônicos, Ivete Sangalo e Família Caimmy. Fale para nós sobre esse estado de espírito.


MANUCA ALMEIDA - Mais pop e querendo ser zen. Ainda continuo acelerado, quer dizer, mais acelerado do que eu gostaria. Pop Zen, segundo Arnaldo Antunes é a mais bela canção brasileira criada nos últimos 10 anos. Sendo assim, e tendo eu o respeito e admiração que tenho por Arnaldo Antunes, só posso entender e acreditar que esta música é um presente não só para nós compositores, mas para qualquer ouvinte que possa se banhar com essas palavras. Não é um presente de Deus, é Deus.

DA - A esperança é mesmo a última que dorme?


MANUCA ALMEIDA - É sim, mas não esqueça que é preciso dizer sempre, ACORDE SEUS SONHOS MAIS CEDO, e se você não tiver um sonho EU VOU LHE DAR UM SONHO PRA VOCÊ SONHAR COMIGO.



POP ZEN

(Alexandre Leão /Manuca Almeida e Lalado)


Tudo que você tem não é seu
Tudo que você guardar
Não lhe pertence nunca lhe pertencera
Tudo que você tem não é seu
Tudo que você guardar
Pertence ao tempo que tudo transformará
Só é seu
Aquilo que você dar.

Tudo aquilo que você escondeu
Tudo que não quis mostrar
Deixe que o tempo
Com o tempo vai revelar
E tudo aquilo que você não percebeu
E tudo que não quis olhar
É como o tempo que você deixou passar
Só é seu
Aquilo que você dar.

Clique aqui para acessar o site oficial de Manuca Almeida






JANELA POÉTICA (IV)



Foto: Leila Lopes




INTENSIDADE


Leila Lopes


Não entendo a razão do espaço pouco.
Nada em minhas costas.
É tarde no meu reino de orquídeas raras.
Deste lugar, ainda não ouço o silêncio
e uma simples palavra guarda uma dor tão obscura.

Noite dentro:
a cidade turva ou pouca luz nos olhos
porque repetidas vezes
a densidade da vida incomoda.
E, na mesma rua, atravessa um alívio pueril.


(Leila Lopes é colaboradora ativa do Diversos Afins)






RUÍDOS DE UMA ALMA DISTANTE

Fabrício Brandão


Às vezes, tudo parecia se resumir naquela atitude cálida, ato de se deixar deitar por sobre um teto imenso de barro. Se do barro veio o seu companheiro, ela nem ao menos vislumbrava de quais costelas invisíveis poderia ter se dado ao mundo. Universo estranho aquele de varar as noites mirando um céu que mais se aproximava de um chão caiado de sertão. Mas não havia mais nada, apenas ruídos, barulhos só por ela compreendidos como prontidão de uma sina que sempre acabava dando ali, defronte ao mar perdido, onde tudo terminava em noite. Poderia soar inacreditável, mas nos claros dos dias ela até esboçava alegres gestos em torno das procissões de um mundo doméstico, lugar um tanto seu, pois sua quase liberdade esbarrava em imperativos masculinos ultrapassados. Vez ou outra, despontavam algumas companheiras de ofício compartilhado, fazendo-lhe crer que talvez não fosse a única no mundo a alimentar preces de combate a uma inquietante solidão.

Depois da ciranda de expor seu rosto nas vitrines do dia, caminhava atenta em torno dos corredores que a conduziam às chaves do seu compartimento. Criou-se numa família de muitos irmãos, todos ocupados numa espécie de código protetivo, algo de que se orgulhara quando sabia dar a si mesma razões para se queixar de seu companheiro. Pouco mais de três décadas de casamento e a certeza inicial de um fracasso fizera par constante. Mesmo com ares de parcial resignação e combatendo os levantes do marido, sua voz ficava aguada, sem força e vida próprias, presa que estava a um lugar feito de sonhos impossíveis. Solução melhor para tudo era se apegar à repetição constante dos ecos que brotavam dos desejos mais profundos. Certamente estes a revelariam uma nova janela para qual se debruçar, com tons e cheiros de toda a sorte.

Quando então chega o monstro habitual da ausência de luz, ela já está deitada, de olhos arregalados e mira novamente o teto infinito. Queria poder conversar mais um pouco, falar do dia acabado, sentir-se leve para se alimentar de carinhos novos de um leito de amor. Mas nada disso existe. Não há o mundo de Alice nem tampouco estradas floridas pela frente. Nada respira ao seu lado, apenas um barulhinho confuso, distorcido, cheio das interferências de um velho rádio de pilhas que a leva para junto das vozes de gente jamais vista. Caía uma chuva fina e silenciosamente ela dava o perdão ao outro lado da cama.






Foto: Adelmo Santos







CACILDA BECKER ENCONTRA GODOT

João Pedro Roriz


Em 1968, a Companhia Teatral Cacilda Becker, sob direção de Flávio Rangel, montou o espetáculo teatral “Esperando Godot”, de Samuel Beckett. A peça, uma das pioneiras do chamado “Teatro Absurdo”, conta a história de Estragon e Vladimir, dois personagens que, em uma praça, esperam o misterioso Godot. A peça possui dois atos e está equilibrada, segundo os críticos, na ponta da faca entre a loucura e a idiotice, mantendo-se, portanto, coerente em relação às agruras estilizadas de uma sociedade presa a seus dogmas e credos.

Naquela ocasião, porém, a peça reservava à nossa saudosa atriz Cacilda Becker um final surpreendente, quando a mesma faleceu após o súbito aneurisma cerebral, decorrente de seu estado de concentração elevado para a interpretação de seu personagem, Estragon. Cacilda rompeu a barreira do inefável e do incomensurável com a sua atuação, e como muitos gênios do seu tempo, faleceu por não suportar o mundo como ele é, absurdo e altamente dramático. Paradoxalmente, muitos atores românticos suspiram com a possibilidade de morrer no palco, nesse dever incorrigível de ser a arte personificada.



Cacilda interpretando Estragon



Muitos intelectuais se perguntam até hoje “quem ou o que, é GODOT”? É o nome de alguém? Uma versão mística de deus (God, em Inglês)? Ou o diabo (Goddilot, em francês)? Ninguém sabe ao certo. O que sabemos é que Samuel Beckett reservara o terceiro ato de sua peça para Cacilda Becker viver (paradoxalmente) com o mesmo sangue arterial que Lorca, o Andaluz, previu em suas “Bodas” de rebeldia: o vinho escorreu pelo nariz, a boca arreganhou e o corpo caiu. Um absurdo genial e trágico, que refutara todos os argumentos dos críticos. O final não pôde ser tachado de louco e nem boçal. Foi realismo puro, incoerente, sombrio e lúcido, como a vida. Desde os atentados de 11/09, eu afirmo vigorosamente que não há ficção pior do que a realidade dos fatos que nós vivemos diariamente. Estragon finalmente derramara o sangue que Vladimir não enxugou. A noite chegara para os dois finalmente se separarem – Cacilda Becker morta e Walmor Chagas desolado – algo muito parecido com a trama vivida por seus personagens no palco.

Nesse pós-fácil fascinante, o terceiro ato se firmara: sem a simbiose das palavras, sobrou Cacilda eternizada na fotografia, momentos antes de desvanecer e desvendar o maior mistério de seu algoz irlandês: Afinal de contas, Cacilda, quem é Godot?

(João Pedro Roriz é colaborador ativo do Diversos Afins)





Foto: Adelmo Santos








JANELA POÉTICA (V)


CANTO PRA MOÇA TRISTE QUE NUNCA CASOU


Alyne Costa


Quando entristeço minh’alma cora
Escrevo ora como muda, noutras santa
De certa forma algo me acalanta
Não sei os pássaros que visitam meu muro
Faltam plantinhas
Falta ainda aprender bordar toalhas de sonhos
Falta tanto da mulher que vive em mim
Quando alegreço, surto
Canto cantigas
Disparo a namorar
Faço viagens a reinos não fundados
Peregrino em mim
Em tanta dúvida e correnteza
E as palavras navegam em minha mente
Ela, a palavra me desmente
E rompo rótulos
Mas respeito traduções e rituais
Bruxa ou santa?
Doce ou seca?
Moça ou velha?
O espelho assusta: Vou ficar uma coisa horrível.
E resolvo passear por Jerusalém
Meu Deus do céu para que tanta cruz?
Bonitos são os sagrados corações –
De Maria e de Jesus.
Coisa boa pra moça velha é passear de cruzeiro.
Coisa boa pra moça velha é preparar enxoval.
Aí começo a cuidar do meu: Paninhos de ponto de cruz
Toalhas de richiliê...Muito crochê, lençol branco com as iniciais bordadas.
E começo a trezena de Santo Antônio.
Peço um moço pálido, sem cicatriz.
Um moço sabido e que saiba tocar piano.
Um moço de anel.
E penso nas flores, nas crianças indo ao jardim de infância...
Nas visitas em casa, nas xícaras de café.
Ai me imagino, meu Deus...
Meu delírio é a vapor.
Isso é canto pra moça que nunca casou.
Marido bom a gente inventa.


(Alyne Costa, poeta que se faz pelos abismos que lhe são apresentados, ora repleta: de dúvidas, ora inundada: de ânsias. Interiorana de Caetité, amante da Literatura e suas veias. Residente em Brumado-Ba, mais um exílio, um reencontro com o sertão e a pura alma sertaneja. Sua poesia é uma rota sem bússola, sua maior busca, seu desafio e seu acalanto.)






Foto: Adelmo Santos








OUVIDOS ABERTOS (II)


Por Fabrício Brandão



CELSO FONSECA – NATURAL






O primeiro contato que tive com o trabalho desse talentoso músico foi celebrando os ouvidos no Unplugged de Gilberto Gil, acústico gravado pela MTV. O ano, 1994, mas Celso Fonseca compunha o excelente time de músicos do ministro e, para mim, respirava ares discretos. Os anos se passaram e eu voltei a topar com o artista num especial sobre a Bossa Nova, exibido por uma dessas emissoras de sinal fechado. Daí, pude perceber que Celso Fonseca não era apenas um bom músico, exímio violonista, mas alguém com um perfil sensível e que, para minha surpresa, também cantava. Agora minha escuta reencontra Natural, trabalho bem elaborado desse artista que também traz em seu currículo parcerias com outros grandes nomes de nossa MPB. O disco traz um sotaque marcado por ritmos como Bossa Nova e samba. Que o diga as instrumentais Buteco e Consolação, faixas que primam pela cadência de batuques regados a um bom violão. Suavidade é o que fica registrado na bela Ela é carioca, do mestre Tom Jobim. Um intenso trompete anuncia aquela que considero a melhor canção desse disco, Febre, de onde é possível sentir um Celso compositor aliado a uma precisa interpretação. Eis um álbum que se envereda pela modernidade musical brasileira sem excessos, conjugando de forma bem dosada elementos eletrônicos e aquilo que parece ser a cara do algo bem feito, a sutileza. O próprio nome do disco economiza outras palavras.






MENINAS DO SERTÃO

Ronaldo Braga



As mãos cansavam ladainhas em recorrentes febres e a morte de todos os desejos calava o mundo anil das meninas enjauladas, e anseios e suspiros insistentes negavam tristezas nas peles eriçadas de sonhos, em um mundo de devaneios, desdenhando futuros em luas roucas, com seus medos a transitarem soltos nos dias negros do querer.

Elas postulavam silêncios em olhares atrevidos e palavras surdas reentravam desejos em corpos esquecidos.

Ao longe, romeiros praguejavam amores em suores covardes, e suas tristes músicas, eram ameaças à vida que teimava brotar em secos olhos. E ódios reativados, e impotências, desfilavam nos humores dos perdedores funestos e malditos, com suas sinfonias de mortos.

Pássaros caminhavam melancolias em passos úmidos e cheiros de amor e canções embriagavam encontros de outrora. Os seios cansavam odores e os olhares teciam esperanças nas raízes loucas e hemiplégicas e os corpos esquivos de imanentes eretísmos suavam negações nos cantos inelutáveis e constitutivos de todo sofrer. E sofrer era a salvação e a vida daquelas miragens eróticas de cantar salmos e preces, com seus loquazes medos a transpirarem sexo por toda terra fatigada de sangue e ferro e dor e fome.

Os dedos suspiravam descansos e entregas nos montes noites de estrelas cruéis e violetas, e as mães suspiravam desprezos e em recônditos pensamentos amores invadiam anomalias e ventres e as faziam sorrir terra e cores e rios e passados de violentas paisagens.

As meninas em clivagens serenas cantavam medos desérticos e amores sonhados em úmidas palavras vãs, e escondiam gozos em seus rostos de prazeres invertidos e insulares, nos tempos soltos e movediços, a escurecer risos e tremerem sonos, nas noites sem esperas, de ausentes beijos a chorar lamas em camas frias, e sonharem céus e deuses numa desesperada peleja de peles e bocas, cantando esperanças e roubando salvações de um sono concupiscente. Seus sonhos perdiam alegrias e as faziam expulsar homens e bichos e mortes, e para sempre silêncios. A reza, lugar comum: onde todos os sentidos eram adormecidos, e a vida perdia sorrisos e dores pululavam existências em canções de morrer.

Não havia sorrisos soltos nas infâncias esculpidas em medos, só o esperar de noites e dias calavam choros futuros e vomitavam alegrias em loucos transes.

Pesadelos difratados rompiam madrugadas e flores tristes buscavam jardins em cactos polimorfos e gentis.

As meninas dormiam cruzes.

E os meninos masturbavam salmos em correrias anêmicas.

Um silêncio quente resfriava sentidos no sertão brasileiro.


(Hoje escrevo para acalmar as minhas inquietudes e encontrar um lugar nas invisibilidades para as minhas incertezas. Acredito que a arte tenha o papel não de transformar, mas antes o de consolidar encontros e, exatamente como o Deus Grego Dionisius, trazer a desmedida para o confronto e para que o homem possa desfrutar do prazer e viver no dia-a-dia as delícias do mundo dos sonhos e, ao mesmo tempo, se acreditar infindo, pois nada é mais eterno que os momentos de prazer. Faço teatro, leciono e vou acordando noites nos jardins bêbados e beijando os ratos nos esgotos da vida)






Foto: Adelmo Santos







SEM O REBELDE HÁ MAIS DE 50 ANOS


Por Cristiano Contreiras






"Viveu rápido demais e morreu cedo demais"



Há pouco mais de 50 anos, o mundo despertava para a trágica morte do rebelde sem causa: James Dean. Com apenas 24 anos de idade, morria no dia 30 de Setembro de 1955, num trágico acidente de automóvel. Enquanto guiava seu porsche, numa estrada da Califórnia, Dean perdeu o controle - partindo imediatamente a coluna vertebral e sofrendo de hemorragias internas, veio a falecer a caminho do hospital.

No cinema ele criou crédito e fama ao interpretar personagens adolescentes e marginalizados. Típico desajustado, rebelde e intimista quanto seus personagens: instantaneamente foi concebido a uma figura de proa em Hollywood. James Dean deixou um legado de três importantes filmes. Fora das telas ficou conhecido por abalos emocionais na família, namoros com homens e mulheres desarmônicos e seu fascínio por corridas de carros – gostava de velocidade em excesso, não tinha medo do risco. Quando morreu, ainda não era um fenômeno, apenas seu primeiro filme “Vidas Amargas” estava em cartaz. Com a morte fatídica, rapidamente se tornou uma celebridade instantânea, desmedindo uma comoção generalizada entre os fãs e, inclusive, duas nomeações póstumas ao Oscar.

Logo após a morte, vieram dois grandes sucessos: “Juventude Transviada”, um ícone até hoje por abordar os hábitos e costumes da rebeldia dos anos 50, ao tratar de temas delicados como o desajuste familiar e a carência afetiva por parte dos jovens. E “Assim Caminha a Humanidade”, terceiro e último filme, com duas estrelas do cinema da época: Elizabeth Taylor e Rock Hudson. Este filme chegou ao cinema um ano após a sua morte, seguido da euforia do seu segundo filme – “Juventude Transviada”, sucesso incontestável de público, - e, durante anos, foi sucesso de bilheteria da Warner.

Mesmo após 50 anos de sua morte, James Dean guarda um lugar no coração de Hollywood e, definitivamente, é um ícone de rebeldia até hoje. Há diversos livros sobre sua vida, documentários e canções que levam seu nome – bandas como The Eagles e Chris Busone fizeram homenagens ao símbolo da juventude dos anos 50. Para prestigiar o aniversário de 50 anos de sua morte, a Warner lançou um Box Dvd com seus principais filmes, todos devidamente recheado de extras que vão de documentários sobre a vida íntima a galeria de imagens do galã, entrevistas com familiares e amigos. Dean criou uma imagem forte de adolescente marginalizado, carente e contestador – e isso reflete claramente até nos dias de hoje. Seus filmes não envelhecem jamais, sua atuação cicatrizante ecoa de maneira que é difícil não enxergá-lo como um ícone imortal no cinema. Sua morte serviu para colocá-lo em um patamar de genialidade, personalidade e, claro, símbolo da juventude indomável.


Filmografia Principal:

1955 –
Vidas Amargas, de Elia Kazan - como Cal Trask
1955 – Juventude Transviada, de
Nicholas Ray - como Jim Stark
1956 – Assim Caminha a Humanidade, de
George Stevens - como Jett Rink

(Cristiano Contreiras é colaborador ativo do Diversos Afins)






Foto: Adelmo Santos








JANELA POÉTICA (VI)


BAYMA BLUES
(fragmento)


Alexandre Câmara


I

Sob luz baixa
formalidade mephistofélica

transpor em brios
degraus dissimulados

patente movimento sexual
crava-me caçando âmago

eu, pressuposta bebida catártica
ebriaria o translúcido de ti?

II

Apinha-se alvura
minuto a minuto
artículas de lógica e lógica
compõem momento subsequente

todo eu
há 7 dias
consumando o canto da lira
harmonia que embaraça sua fuga

como marinheiro
tenho amor nenhum
todos e os que espaçam-se

infinitamente ninguém está

a saciedade requer tanto mais
inerente ao temor estanque


(Alexandre Câmara é jornalista e assessor de comunicação da Secretaria Executiva de Saúde de Alagoas. Escreve poemas e contos e tem como influência os poetas beats e simbolistas franceses)






Foto: Adelmo Santos






(4 MINUTOS)


Rodrigo Melo



A música no ouvido, o computador, zumbi era lampião e vice-versa, o cara cantando, um monte de coisas na minha frente, coisas ruins, do trabalho, e outras coisas também, que dão trabalho, e eu nem quero saber, abro a página, ajeito os óculos, o grau que acerta o mundo, e começo a esticar os dedos e eles descem num ritmo bom, por um momento parece fácil, basta ir escrevendo o que se pensa, qualquer coisa, o que vai saindo e o que invento por falta de assunto melhor, o que não posso é parar, ficar raciocinando demais, pois não foi assim que kerouac conseguiu, não foi assim que Henry fez, a noite lá fora, faz frio, não foi assim, cheios de anotações e ofícios, que eles chegaram lá, a batidinha gostosa no ouvido, dou um gole na água com gelo, acendo um cigarro, penso um pouco, retorno logo, mais alguns minutos por aqui, o computador e o cigarro que é só por hábito, mania, mas eu vou parar, já parei uma vez, só que voltei, mas vou parar de novo, assim, de vez, agora o frio lá fora, mas amanhã tem sol, faço previsões, gosto, amanhã vou sair e andar pelo calçadão, ver o mar, quem sabe jogar ping-pong com os amigos lá na academia, passear depois, eu andando e recebendo a luz, clareando o caminho, pensando numa menina e numa música que vou escrever, na letra, na forma de levar meio desafinada, falando do cheiro que ela tem, do jeito de movimentar as mãos quando está cantando, e parece simples, acho mesmo que é, o segredo é descer o braço, fazer o negócio ir em frente,



Ele:
Escolhi esse lugar assim,
quase sem mirar o dedo,
feito naquela foto sua.
.Ela:
Quase sem dedo,
gostei.
Ele:
Foi?
.Ela:
Foi, mas, pra falar a verdade, não entendo muito de dedos.
Nem lembro de que foto ta falando, o que é que tinha nela.
Ele:
Eu entendo um bocado desse negócio de dedos,
mas fico só analisando as respostas dos outros pra ver se entendem também.
.Ela:
An-ham.
Sei.
Escolhe duas cores agora!
Ele:
Azul e
Roxo?
Combinação do caralho, hein.
.Ela:
Realmente.
Ele:
Calma, então, que vou pensar numa melhor.
.Ela:
É porque fica quase a igual,
o azul e o roxo.
Ele:
Só podem cores tradicionais
ou variações também?
.Ela:
Fique à vontade.
Ele:
Bege e vermelho.
Saiu sem pensar.
. Ela:
Que massa,
vermelho de novo,
ai,ai.
ele:
Vermelho.
Que tem de novo?
Sensação boa esse sol nas costas,
vou pegar uma pepsi.
.Ela:
É, vezenquando me vem a lembrança dos bons tempos, da casa lá na avenida, de ver sempre o mar.
Ele:
Hum.
.Ela:
Puxa.
Eram tempos de uma boa luz.

...e então um cachorro latiu, de verdade, e não foi o daqui, o daqui come lagartixas e baratas, qualquer coisa parecida, uma hora dessas está acabando com a vida de alguém, o matador, em seguida o meu celular vibrou, tocou, nunca sei bem, e eu já lembrando daquelas mãos antes mesmo dele vibrar ou tocar, lembrando delas dançando no ar, faz frio na noite lá fora, zumbi era lampião, o cara canta, a tela do computador menos branca nesse instante, lampião era zumbi, dou um gole na água, mastigo outro pedaço de gelo, engulo, o segredo é não parar, me disseram uma vez, e eu não vou parar, a gente sempre quer o que consegue, ah, a gente sempre esquece o que não quer, me disseram também, e vice-versa, e o que quero agora é sair por aí, amanhã, sem hora pra voltar, andando e olhando o mar por detrás das lentes, seguindo o meu caminho e pensando numa música que quero fazer, uma música bonita, cheia de coisas e de coisas, num dia que bem pode ser de sol.


(Rodrigo Melo é ilheense, contista, e escreve semanalmente para o site Bagatelas, do Rio. Lançará em breve o livro "Sonhos não passam disso")





Foto: Adelmo Santos




*O fotógrafo Adelmo Santos, desde cedo, estabeleceu com a arte ligações que o sensibilizaram. A música, o desenho e as tintas imprimiram marcas, hoje exteriorizadas, principalmente, na composição de imagens.

 
publicado por Fabrício Brandão
Permalink ¤

<BODY>